História


 

A história da Faculdade Adventista da Amazônia (FAAMA) começou a ser contada pelos primeiros missionários que chegaram à região Norte do Brasil. Junto com a necessidade de obreiros para expandir o evangelho, nascia também o sonho de levantar uma Instituição para preparar ministros para o cumprimento da missão.

O desejo de evangelizar a localidade sempre norteou os trabalhos na região que representa 45% do território brasileiro. Em 1920, o pastor Oliver Montgomery, primeiro presidente da Divisão Sul Americana (DSA), viajou pela região para reconhecer o território e montar estratégias para consolidar a presença adventista. "O objetivo da viagem era ter uma igreja firmemente estabelecida e obreiros bem treinados", ressalta o diretor do Museu da Memória Adventista no Norte, pastor Daniel Plenc.

A maior dificuldade sempre foi encontrar missionários para trabalhar em um território tão extenso e de difícil acesso como a Amazônia. Anos mais tarde, em 1927, o primeiro passo para a organização Adventista no Norte foi dado com a fundação da Missão Baixo Amazonas (MBA) presidida pelo pastor João Luís Brown. A partir daí os planos de expansão da igreja eram desenvolvidos através da distribuição de publicações e a pregação do evangelho.

Esse trabalho era feito principalmente pelos rios através de lanchas, considerando as características geográficas da Amazônia. Em 1929, Leo Halliwell, médico missionário americano, e sua esposa Jessie Halliwell, enfermeira, chegaram ao porto de Belém (PA) chamados pelos pastor Brown para fortalecer o trabalho no Norte. Depois de explorar a região e conhecer as necessidades da população, em 1931, o casal Halliwell lançou o projeto das lanchas Luzeiro com objetivo de levar atendimento médico para população ribeirinha, cruzando inúmeras vezes os rios amazônicos. Além disso, o casal também levava orientações sobre saúde e propagavam a mensagem adventista para aqueles que ainda não a conheciam.

As décadas seguintes foram dedicadas para a pregação do evangelho. A região administrativa a qual a MBA fazia parte havia se tornado União Norte Brasileira (UNB) em 1936 e já contabilizava em Belém (PA) mais de mil membros, sete igrejas organizadas e vários grupos. Após 35 anos do início dos trabalhos, iniciou-se a caminhada para a abertura de uma Instituição de ensino que pudesse abrigar o treinamento de pastores adventistas na região. Plenc relembra que a primeira instituição de ensino secundário surgiu em 1961, o Instituto Adventista Grão Pará (IAGP). "Sob regime de externato, o IAGP iniciou suas atividades com 500 alunos e buscava atender as demandas da Educação Adventista para nível fundamental e ginasial", conta.

A abertura da escola era uma iniciativa da UNB sendo só o primeiro passo para o programa educacional pensado para a região. O então presidente da União, pastor Walter Streithorst, alimentava o sonho de transformar o IAGP em um internato até 1965, pois era uma exigência da Conferência Geral para que futuramente fosse implantado o Seminário Adventista Latino-Americano de Teologia (SALT) para dar início à formação de pastores para a região.

No ano seguinte, em 1966, o pastor Streithorst, juntamente com o pastor Melvin Northrup, diretor de Educação da UNB, apresentaram o projeto da criação de uma instituição de grande porte ao diretor de Educação da DSA, mas não obtiveram êxito. Na época, a expectativa era de que o Educandário Nordestino Adventista (ENA), inaugurado em 1943, suprisse a necessidade de pastores e obreiros para o Norte do Brasil. No final da década de 60 a expansão do ENA e falta de projetos educacionais com internatos que tivessem condições reais de crescimento futuro retardaram o surgimento de uma instituição de treinamento no Norte.

No final de 2000, com a chegada do pastor Volnei Porto como tesoureiro da UNB, as discussões acerca da construção de uma instituição de ensino de grande porte na região foram retomadas. Foi em 2002 que o sonho de construir um Centro Universitário Adventista ganhou força novamente a partir da doação de uma área de 104 hectares que pertencia ao Hospital Adventista de Belém (HAB). E em novembro de 2004, a DSA aprovou a construção de uma nova Instituição de ensino no Norte do Brasil. No dia 8 de dezembro do mesmo ano, foi lançada a pedra fundamental que marcou o início da construção.

A primeira etapa do projeto de construção começou com 22 trabalhadores e em três anos aumentou para cerca de 150 pessoas envolvidas. A maior parte desses funcionários, membros da Igreja Adventista, deram início a evangelização dos que não conheciam a mensagem do advento, suas famílias e outros moradores da comunidade ao redor, levando mais de 140 pessoas ao batismo. Foi dessa forma que as atividades da Igreja Adventista do Sétimo Dia da FAAMA foram iniciadas.

Com o bom andamento da construção, a partir de 2006 as atenções foram voltadas para a formação do corpo docente e o início do processo de viabilidade acadêmica em parceria com o reitor do SALT, pastor Alberto Timm. O projeto em andamento recebeu total apoio da DSA após a visita de Ella Simmons, vice-presidente e conselheira da Comissão de Educação da Conferência Geral. Além de apoiar o projeto, foi sugerido o começo das atividades do SALT-FAAMA para 2010. A princípio a DSA chamava a nova instituição de Instituto Superior Adventista da Amazônia e posteriormente a UNB passou a chamá-la de Faculdades Integradas da Amazônia (FIAMA). Com a apresentação do documento final de viabilidade, a instituição recebeu o nome de Faculdade Adventista da Amazônia (FAAMA) e mundialmente intitulada como Amazônia Adventist College (AAC).

Com as bênçãos de Deus, o trabalho incansável da UNB juntamente com a equipe administrativa da FAAMA, a Instituição foi inaugurada em 16 de agosto de 2009, já com a equipe de professores do SALT formada, bem como a equipe de funcionários. O início das atividades do SALT-FAAMA foi marcado pelo primeiro vestibular nacional, em 15 de novembro de 2009, com cerca de 500 candidatos disputando as 60 vagas disponíveis para o curso de Teologia. “Sempre existiu uma grande carência de obreiros para a Amazônia. Nesse contexto, a FAAMA surge para abrigar o Seminário Teológico com o objetivo de preparar homens para dar continuidade ao trabalho missionários dos pioneiros”, afirma Plenc.

Grandes conquistas

Desde sua inauguração, o avanço da FAAMA é demonstrado através de um expressivo crescimento. “A primeira conquista é que, com a benção de Deus, já iniciamos com a faculdade de Teologia”, destaca o atual diretor geral da instituição, pastor Antônio Edson.

Como resultado do ardo trabalho desenvolvido pela Instituição para proporcionar a região em que estamos localizados um ensino de qualidade e buscando atender a demanda de profissionais cada vez mais capacitados a servir a Deus e a sociedade, A Faculdade Adventista da Amazônia (Faama) agora é oficialmente uma Instituição de Ensino Superior (IES). A portaria de credenciamento foi publicada nesta quarta-feira, 7, no Diário Oficial da União. Com isso, o Ministério da Educação (MEC) aprova o parecer do Conselho Nacional de Educação, emitido após visita da comissão de avaliação de Credenciamento Institucional do MEC à entidade, que concedeu a autorização para abertura dos cursos superiores de bacharelado em Teologia e licenciatura em Pedagogia, ambos avaliados com conceito 5, o mais importante para o ensino superior no Brasil.

O SALT-FAAMA já formou três turmas de Teologia, um total de 141 líderes prontos para avançar com o ministério da pregação do evangelho. Este ano, 47 novos pastores sairão a campo para servir na obra de Deus. O trabalho acadêmico desenvolvido pela Instituição já foi avaliado pelo Ministério da Educação (MEC) e recebeu nota máxima para ampliar as atividades de Ensino Superior. Hoje, a FAAMA aguarda a publicação da portaria de autorização no Diário Oficial da União para dar início ao curso de Pedagogia.

Edson ressalta que a abertura do Colégio Adventista da FAAMA para atender as necessidades do Ensino Básico da região foi outra meta alcançada. “A sociedade precisa de uma Instituição de qualidade que prepare os seus filhos para está vida mas também para a eternidade”, destacou.

Em 7 anos de existência já são mais de 2426m² de área construída para as instalações do ensino básico e superior, internato, complexo esportivo e restaurante. Dentre elas, estão a Biblioteca Judith Tomas, que recebe o nome de sua benemérita, Judith Tomas, doadora de verbas para a construção do prédio inaugurado em 2010; o Museu da Memória Adventista no Norte, onde está a Luzeiro I utilizada por Leo e Jessie Halliwell que proporciona aos visitantes o contato com a história de pioneirismo na região, e o Centro de Estudos Ellen White disponibilizando materiais históricos da Igreja Adventista, ambos inaugurados em 2011. Em 2016 foi inaugurado o novo prédio para o Ensino Básico, carinhosamente chamado de Faaminha.

"A FAAMA foi erguida com o propósito de formar homens e mulheres para atender as demandas da igreja e da comunidade na região Norte e esse propósito tem-se cumprido", acredita Edson. Dessa forma, o crescimento no número de alunos é outra grande conquista. Este ano a FAAMA já chegou a marca de 807 alunos do Ensino Básico e Superior. Um deles é John Lima, aluno do primeiro ano de Teologia e residente da FAAMA. Lima chegou a FAAMA atendendo a um chamado de Deus e a cada dia que passa confirma que foi a melhor decisão. “Sinto que aqui é realmente o lugar em que Deus quer que eu esteja. Não passava em minha mente a grandeza de tudo o que contemplo aqui desde minha chegada. Cada dia que passa, esse sentimento de satisfação aumenta, e a certeza de que Deus habita neste lugar é evidente a cada momento”, alegra-se.

Planos para o futuro

A FAAMA almeja continuar crescendo e contribuindo para a obra de Deus e o cumprimento da missão nesta terra. O próximo passo é a implantação de novos cursos a nível técnico e superior. No projeto de expansão do Ensino Superior também está prevista a implantação de cursos como Administração, Contabilidade, Enfermagem, dentre outros.

Pensando também no conforto e qualidade de vida de alunos e funcionários, a infraestrutura da Instituição será contemplada com a construção do prédio do residencial feminino, academia, salão de jogos e a praça central do campus, ampliando assim as áreas de moradia e convivência da Instituição. Também serão sendo feitos investimentos para a construção do condomínio de casa Esperanza Park Resort, ao lado do campus da FAAMA. O empreendimento imobiliário pretende reunir conforto, segurança e espiritualidade em um só lugar.

“Os planos de crescimento da FAAMA estão no coração de Deus, assim como um dia o sonho dos pioneiros também esteve. Ao observar o desenvolvimento da FAAMA o sentimento é de gratidão por tudo aquilo que Deus tem feito por nós. Os pioneiros sonharam o que seria a igreja e a educação no Norte do Brasil, se eles pudessem ver o que tem sido feito, ficariam maravilhados ao constatar que o sonho hoje está concretizado”, conclui Edson.